Depois de anos e anos roendo as unhas, essa adolescente desenvolveu uma doença terrível. Todo cuidado é pouco!


Não há nada especial que as pessoas roam suas unhas, seja por nervosismo, tédio ou simplesmente porque não temos um cortador de unhas na mão. Mas realmente nunca pensamos que isso pode ter consequências graves para a nossa saúde. Afinal, parece um hábito inofensivo.


Talvez Courtney Whithorn, uma estudante australiana de 20 anos de idade, tinha esse mesmo pensamento. No entanto, depois de anos roendo as unhas ela desenvolveu um câncer de pele, que resultou na perda parcial de seu polegar. 



Courtney começou a sofrer bullying quando tinha 14 anos, então ela inconscientemente desenvolveu o hábito de roer as unhas como uma maneira de lidar com a ansiedade que o abuso causou a ela. 

A adolescente confessou que chegou um momento em que o dedo dela começou a escurecer, mas, por vergonha, ela decidiu guardar o segredo de sua condição por quatro longos anos, pensando que não era nada sério. 


Mas em julho do ano passado, quando ela notou nenhuma melhora em seu dedo que, ao contrário, ficou mais escuro, ela decidiu fazer uma visita ao médico com medo de que algo muito sério estivesse acontecendo em seu corpo. 

Infelizmente, a notícia não foi boa e o médico descobriu que Courtney havia desenvolvido o melanoma subungueal lentiginoso acral, em palavras mais simples: um tipo estranho de câncer de pele. 

A menina precisou de duas operações para remover a unha inteira, embora isso não resolvesse o problema, então os cirurgiões decidiram que seria melhor amputar parte do dedo. 

"Eu tive um ataque de pânico no trabalho quando li a palavra "amputação" e corri, não conseguia respirar", disse Courtney Whithorn. 


Embora Dr. Courtney tenha dito que o câncer foi causado por roer as unhas durante tantos anos, outros médicos discordam, porque embora tenha associado este mau hábito com algumas ocorrências de câncer, é improvável que algo assim fizesse aparecer um câncer estranho.

Mesmo assim, é melhor prevenir do que se arrepender e se você sentir a necessidade de arrancar as unhas de ansiedade ou nervosismo, talvez prefira procurar alguém com quem conversar.

Você também pode se interessar: 


Se você gostou deste artigo compartilhe em suas redes sociais!

Especialista em marketing digital e jornalismo colaborativo. Colunista de notícias dedicada a TV e Famosos, curiosidades, humor, relacionamentos, saúde e astrologia.